A educação, um dos pilares de uma sociedade bem desenvolvida, foi o tema central da 29ª edição do Curso Anual para os Bispos do Brasil, promovido pela Arquidiocese do Rio de Janeiro, no Centro de Estudos e Formação do Sumaré, no Rio Comprido, entre os dias 5 e 8 de fevereiro.

Núncio Apostólico, dom Giovanni D’Aniello.
Foto: internet

No encontro, os Bispos de todo o País foram convidados a refletir sobre a temática “Urgentes desafios para a educação no Brasil hoje”. Entre eles, estava o Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

De acordo com o Arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta,

“temos a oportunidade de discutir esse assunto que tem uma grande mudança no Brasil, a partir da qual há uma disponibilidade de ouvir a Igreja no que diz respeito à educação. São oportunidades que os bispos têm para ouvir propostas para suas vidas, para a Igreja e a sociedade”, disse.


Dom Orani. Foto: internet

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Escolha do tema

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀


D. Karl Josef Romer. Foto: Internet

Um dos organizadores do curso, em 1990, o Bispo Emérito, Dom Karl Josef Romer explicou como se dá a escolha da temática a ser abordada. “Sempre buscamos temas urgentes, ou seja, quais são os problemas para a Igreja do Brasil neste momento? ”, esclareceu.

Apesar de o curso ser destinado aos Bispos, os vigários episcopais dos diversos vicariatos da Arquidiocese do Rio também estiveram presentes. Segundo o vigário episcopal para a Educação, Padre Thiago Azevedo, “o vicariato, recém-criado na Arquidiocese, tem tido essa grande preocupação de reanimar, revitalizar e, sobretudo, enfatizar a missão educadora da Igreja”.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀


Mons. Angelo Vincenzo ZANI.
Foto: PIOTR BAJOR

O secretário da Congregação para a Educação Católica, Dom Angelo Vincenzo Zani, abordou os temas: “Da Gravissimum educationis a hoje: temas e documentos do percurso pós-conciliar”, “Orientações do Magistério sobre estudos eclesiásticos: a Constituição Apostólica Veritatis Gaudium e a Instrução sobre estudos de Direito Canônico” e “A Igreja e as universidades católicas. A constituição Apostólica Ex corde Ecclesiaee suas perspectivas hoje”.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Bispos reunidos em conferência no Centro de Estudos Sumaré. Foto: Gustavo de Oliveira

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Dom João Justino de Medeiros Silva, Arcebispo de Montes Claros (MG), trabalhou a temática:

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“Rumos da educação no Brasil e a atuação da Igreja”.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Ele deu início à palestra afirmando que, atualmente, não há mais uma proximidade entre a Igreja e escola, tal como nos tempos de outrora.

O professor Italo Fiorin, abordou “Os riscos e os desafios da educação na cultura e na sociedade de hoje” e “Educar à luz da visão do Papa Francisco”. Segundo ele:

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“o contexto social e cultural em que vivemos e operamos não é um dado imutável, mas um desafio para a nossa identidade como educadores e uma possibilidade que desafia a nossa responsabilidade pessoal e coletiva”, sublinhou.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O Curso para os Bispos do Brasil, realizado no Centro de Estudos no Sumaré, contou com a presença do professor Felipe Nery, que abordou os temas: “Problemas do modelo de educação existente no Brasil: qual perfil de pessoas estamos formando?” e “Possibilidade para as escolas paroquiais atualmente”.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Centro de Estudos Sumaré. Foto: internet

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Ministro da Educação adjunto esteve presente

No encontro, também esteve presente o secretário executivo adjunto do Ministério da Educação, Eduardo Miranda Freire de Melo, que destacou a importância das Igrejas cristãs no processo educacional. “Pretendemos ajudar e apoiar todas as pessoas e organizações que tenham a educação como múnus principal. Então, a Igreja Católica e as demais Igrejas cristãs cumprem um papel muito importante na disseminação e no formato da educação. A tradição da educação no Brasil passa pela educação cristã, a partir de seus fundamentos, uma vez que o próprio Jesus disse: ‘Ide e ensinai a todos os povos’”. Completou defendendo que o ensino religioso confessional (o qual se trata de uma disciplina para uma crença específica) tem a necessidade de ouvir a população.

(Com informações: Carlos Mioli/Arquidiocese do Rio de Janeiro)

Fonte: O São Paulo