A liturgia da Igreja não tem o costume de celebrar a data de nascimento dos santos. Na verdade, ela considera o dia da morte como o verdadeiro dies natalis, por assim dizer, porque é neste dia que as almas santas “nascem para o Céu”. O nascimento para este mundo, tão cheio de pecados e misérias, pode ser celebrado apenas como um louvor ao dom da vida, claro, e ícone de uma esperança maior que virá com a redenção final, na eternidade.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Apenas três nascimentos são celebrados pela Igreja. Primeiro, o nascimento de Jesus, a 25 de dezembro, que, com sua Encarnação, assumiu a natureza humana para redimi-la de toda impureza e uni-la à vida divina. Depois, o nascimento da Virgem Maria, a 8 de setembro, cuja alma foi livre de toda mancha do pecado original desde a concepção. E, finalmente, o nascimento de São João Batista, que, embora não tenha sido imaculado como o foi Nossa Senhora, teve, porém, o coração purificado já no ventre de Santa Isabel, logo após a saudação de Maria, quando “a criança estremeceu no seu seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo” (Lc 1, 41).

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

S. João Batista

Celebramos hoje a solenidade do nascimento de S. João Batista, primo de Nosso Senhor. E para bem aproveitarmos esta celebração, é importante levar em conta as razões por que a Igreja Católica comemora em sua Liturgia apenas três natividades: a) a de Nossa Senhora, b) a de Jesus Cristo e, hoje, c) a do Precursor. Todos os homens, com efeito, estão implicados no pecado de Adão, pai do gênero humano, de sorte que todos herdam uma natureza privada da santidade e da justiça originais que os nossos protoparentes receberam de Deus antes da queda (cf. CIC 404). Ora, é apenas por meio do Batismo que é apagada em nós a mancha do pecado original e nos é conferida a vida da graça (cf. CIC 405). Por isso, todo homem, desde a sua concepção, nasce em estado de pecado e necessita, para ser justificado, do lavatório da regeneração: “Quem não renascer da água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus” (Jo 3, 5).

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Há no entanto três casos especialíssimos em que, por disposição da divina Providência, existe santidade desde o ventre materno: a) em primeiro lugar, Jesus Cristo, que, por ser o próprio Verbo encarnado, não poderia herdar de forma alguma a herança de Adão: Ele, ao assumir a forma de servo, elevou o que é humano sem diminuir o que é divino, passando “pelas mesmas provações que nós, com exceção do pecado” (Hb 4, 15); b) Maria SS., por sua vez, foi preservada do pecado, vencendo-o por sua santa e Imaculada Conceição; c) João Batista, enfim, foi santificado já no seio materno, conforme aquilo de S. Lucas: “Apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo” (Lc 1, 41). A Igreja crê, pois, que por ocasião da visitação de Nossa Senhora à sua prima Deus purificou do pecado aquele que, nas palavras de Zacarias, seria “chamado profeta do Altíssimo” (Lc 1, 76).

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Solenidade de São João Batista

Justificado, assim, desde o seu primeiro encontro com Cristo, S. João Batista foi santificado pelo Pai a fim de poder preparar como convinha as veredas do Filho (cf. Mt 3, 3). Ele, que é com justiça o último e o maior dos profetas (cf. Lc 7, 26), constitui como que a abóbada e o remate do Antigo Testamento: inaugurando o Evangelho (cf. Lc 16, 16; At 1, 22) pela pregação da conversão e da penitência, o Batista quer nos levar a morrer para o pecado, a fim de que Jesus Cristo, “o Cordeiro de Deus” (Jo 1, 29), nos faça nascer para a graça e a vida verdadeira.

Ouçamos hoje com atenção os apelos do Precursor; convençamo-nos de que, se não morrermos para nós mesmos e para o nosso egoísmo, não poderemos deixar o Cristo ser gerado em nós. Convertamo-nos e façamos penitência, com amor e generosidade, porque o Reino de Deus está mais do que próximo (cf. Mt 3, 2): está já aqui, neste tempo da Igreja, em que por graça nos é dado e ver e viver o que o Precursor anunciou sem ter visto nem vivido a não ser em figura e preparação.

Fonte: padrepauloricardo.org/