Papa Francisco e os índios

O Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia divulgado nesta segunda-feira (17), abre possibilidade de ordenação sacerdotal de idosos, preferivelmente indígenas, ainda que já tenham uma família constituída e estável.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A Igreja católica discutirá a a Amazônia.
Foto: Vatican News.

O documento que prepara para o Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, que acontecerá de 6 a 27 de outubro, discutirá a evangelização de povos nativos e a preservação da floresta. O relatório abre a possibilidade de laicos casados se tornarem padres, mas apenas sob determinadas condições. A ideia já era discutida desde o ano passado, após a convocação da assembleia episcopal pelo papa Francisco.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“É necessário passar de uma ‘Igreja que visita’ para uma ‘Igreja que permanece’, acompanha e está presente através de ministros provenientes de seus próprios habitantes”

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Novos Ministérios

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Afirmando que o celibato é uma dádiva para a Igreja, pede-se que, para as áreas mais remotas da região, se estude a possibilidade da ordenação sacerdotal de pessoas idosas, de preferência indígenas, respeitadas e reconhecidas por sua comunidade, mesmo que já tenham uma família constituída e estável, com a finalidade de assegurar os Sacramentos que acompanhem e sustentem a vida cristã.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A ideia seria estender o sacerdócio aos chamados “viri probati”, homens casados, de fé comprovada e capazes de administrar espiritualmente uma comunidade de fiéis. O objetivo seria aumentar o número cada vez menor de padres na Amazônia.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Falta de sacerdotes

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O documento ressalta que as comunidades amazônicas enfrentam dificuldade para celebrar a Eucaristia por falta de sacerdotes. “Por isso, ao invés de deixar as comunidades sem Eucaristia, devem ser mudados os critérios de seleção e preparação de ministros autorizados a celebrá-la”, diz o Vaticano. O relatório ainda evidencia a “contribuição decisiva” de homens e mulheres nativos para “dar impulso a uma autêntica evangelização do ponto de vista indígena, segundo seus hábitos e costumes”

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Pará, comunidade ribeirinha do Rio Tapajós. Foto: Vatican News

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“Trata-se de indígenas que pregam a indígenas com um profundo conhecimento de sua cultura e seu idioma, capazes de comunicar a mensagem do Evangelho com a força e a eficácia de sua bagagem cultural”, acrescenta o documento.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Papel da mulher

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Índia ensinando na lousa

Além disso, o Vaticano pede aos bispos que discutam formas de garantir espaços de “liderança” às mulheres, especialmente na área de formação. Entre outras coisas, o relatório sugere que seja “identificado o tipo de ministério oficial que possa ser conferido às mulheres, tendo em conta o papel central que elas desenvolvem na Igreja amazônica”, diz o texto.

Reclama-se o reconhecimento das mulheres a partir de seus carismas e talentos. Elas pedem para recuperar o espaço que Jesus reservou às mulheres, “onde todos/todas cabemos”. Propõe-se inclusive que às mulheres seja garantido sua liderança, assim como espaços cada vez mais abrangentes e relevantes na área da formação: teologia, catequese, liturgia e escolas de fé e de política.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Mártires na Amazônia 

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Reprodução/Agência Brasil

O documento também cita o “alarmante” número de “mártires” na Amazônia, especificamente no caso do Brasil, com 1.119 índios assassinados entre 2003 e 2017, segundo dados do relatório “Violência contra os Povos Indígenas”.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

“ A Igreja não pode permanecer indiferente mas, pelo contrário, deve contribuir para a proteção das/dos defensores de direitos humanos, e fazer memória de seus mártires, entre elas mulheres líderes como a Irmã Dorothy Stang. ”

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Durante o percurso de construção do Instrumentum Laboris, ouviu-se a voz da Amazônia à luz da fé com a intenção de responder ao clamor do povo e do território amazônico por uma ecologia integral e por novos caminhos para uma Igreja profética na Amazônia. Estas vozes amazônicas exortam o Sínodo dos Bispos a dar uma resposta renovada às diferentes situações e a procurar novos caminhos que possibilitam um kairós para a Igreja e o mundo.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Com informações do Vatican News e UOL notícias